Receba nosso FEED gratuitamente em seu e-mail:

Delivered by FeedBurner

 

Joãozinho resolveu colecionar selos…
Durante toda a semana, a inteligente propaganda no Governo estimulara a sua imaginação e lhe mostrara o lindo universo que o colecionismo incluiria em sua existência, dando-lhe o assunto para o dia a dia junto de seus pais, avós, tios, amigos … Dando-lhe um apoio valioso para seus estudos e, quando crescesse, uma pausa renovadora na árdua batalha pela sobrevivência. Na velhice ? Algo para encher a imensa sensação de vazio que vem junto com a aposentadoria.
O Governo afinal, resolvera investir na juventude …
Os jornais só receberiam propaganda do Governo, se tivessem colunas filatélicas. Mesmo que vivessem a criticar a dirigente, que não aceitava palpites e insistia em fazer máximos postais condenados pelas regras internacionais …

Joãozinho foi à Agência dos Correios, onde recebeu, de graça, um lindo livro, colorido, com mais de 200 páginas. (Os Correios os imprimira com recursos obtidos junto às casas filatélicas e clubes de Filatelia, em um processo de parceria muito sensato). Neste livro, tinha tudo: como começar, que tipo de coleção fazer, como aproveitar os selos, o que era filigrana, como identificá-la, um odontômetro destacável e, uma relação de todos os selos emitidos pelo Brasil, com referências de seus nº RHM, Yvert, Mitchell, Boreck, Scott, Gibbons, etc … Ao lado de cada selo, dados didáticos sobre quem fora o focalizado ou informações valiosas sobre o tema abordado. Lindas coleções de blocos e seis selos disputadíssimos internacionalmente. O Brasil era o primeiro pais do mundo a fazer um bloco em homenagem a Santa Cecília, padroeira da música.
E os Correios, pela primeira vez na história, encontraram uma valiosa fonte de renda …
Selos do Brasil ? No jornaleiro, junto com as fichas e cartões telefônicos …
Nas exposições, continuavam ainda aquelas coleções, cheias de envelopes subscritados, cartões com selos horríveis, peças com defeitos e uma série de coisas que dão pontos, mas que coloca a beleza dos selos em último lugar. Anti-didáticas, caríssimas, totalmente fora das possibilidades de um jovem ou de um cidadão comum.
Mas, estimuladas pelos clubes filatélicos, também existiam coleções só com selos, blocos e máximos oficiais. Nas categorias nacional, internacional e mista … Todos podiam concorrer.
Nada de limitações aos textos: a Filatelia não era um fim em si, mas um meio de aquisição e ordenamento cultural. De integração social …
Pai de filatelista, nunca vai tirá-lo de uma delegacia policial pelo uso de entorpecentes …
Aí Joãozinho acordou … Tudo tinha sido um sonho …

(Fonte: Publicado originalmente em O Amigo do Filatelista – n.º 9)

Diversos artigos assinados por especialistas que refletem sobre a filatelia temática, suas regras e elementos. Estes trabalhos foram publicados em revistas e outras fontes especializadas. Sua republicação aqui no Portal do Filatelista Temático é feita com a indicação dos devidos créditos que são nominados em cada postagem.

Vejamos alguns colaboradores deste Blog:

Luiz Paulo Rodrigues Cunha, de saudosa memória, um amigo ímpar e um filatelista temático respeitável, proprietário das coleções: MAN UNDER WATER, Topical Philately e SUN, SEA, SURF AND SAND – THE DISCOVERY OF THE BEACH.

José Ángel Gándara Rodriguez, um ativo expositor espanhol, profundo conhecedor do regulamento filatélico temático e proprietário da coleção: COLÓN RUMBO A LAS INDIAS.

×
Diversos artigos assinados por especialistas que refletem sobre a filatelia temática, suas regras e elementos. Estes trabalhos foram publicados em revistas e outras fontes especializadas. Sua republicação aqui no Portal do Filatelista Temático é feita com a indicação dos devidos créditos que são nominados em cada postagem.
Latest Posts
Esse artigo foi útil?

Obrigado Seu feedback ajuda-nos a melhor os serviços do Portal do Filatelista Temático!